Archive for the ‘Shell Script’ Category

PostHeaderIcon Reduzindo o tamanho de arquivos PDF através da linha de comando.

Recentemente, precisei submeter uns arquivos no formato PDF para um site. Entretanto, o sistema tinha uma limitação com relação ao tamanho dos arquivos PDF que deveriam ser submetidos. Tentei utilizar algumas opções do editor de textos que eu havia utilizado para criar os arquivos PDF com tamanho menor, mas, infelizmente, não obtive sucesso. Ainda que essa solução funcionasse, eu deveria repeti-la, pelo menos, 15 vezes, manualmente. Foi nesse momento que resolvi encontrar uma nova solução através através do "sabre de luz" de todo administrador e usuários mais avançados do mundo Linux: a linha de comando.

A solução pode ser feita através do Ghostscript, um antigo e bem poderoso pacote de ferramentas que já vem instalado em muitas distribuições Linux. Para reduzir um arquivo PDF, usando o gs, utilizei o seguinte comando:

$ gs -sDEVICE=pdfwrite -dCompatibilityLevel=1.4 -dPDFSETTINGS=/screen \

     -dNOPAUSE -dQUIET -dBATCH \ 

     -sOutputFile=ArquivoReduzido.pdf ArquivoOriginal.pdf

Em poucos instantes, você tem o seu arquivo PDF com o tamanho significativamente menor. O mais interessante, entretanto, para evitar um trabalho repetitivo, é combinar esse comando em um pipe para, por exemplo, converter diversos arquivos PDF de uma única vez. Por exemplo, considerando que no diretório /tmp/PDFs estão todos os arquivos com extensão ".pdf" a serem reduzidos que devem ser armazenados no diretório /tmp/PDFzinhos, basta executar a seguinte linha de comando:

$ cd /tmp/PDFs ; ls *pdf |  xargs -t -i gs -sDEVICE … … … \

   -sOutputfile={}  /tmp/PDFzinhos/{}

(Substitua os "… … …" por todo o restante do comando gs mostrado anteriormente)

Pronto! Tudo devidamente reduzido de uma única vez!

Ainda é possível melhorar ainda mais o uso dessa linha de comando, incorporando-o a um script com diversos recursos legais. Entretanto, deixo isso como um exercício para vocês! :-)

Acho que é isso. Até a próxima!

PostHeaderIcon Removendo kernels antigos no Ubuntu.

Atualizar o kernel de seu Linux já foi uma tarefa complicada. Atualmente, o pacote de kernel e todas as suas dependências são atualizadas de maneira muito simples. Muitas vezes, basta que um alerta no seu ambiente gráfico apareça reportando que existem atualizações pendentes e pronto… tudo será atualizado, inclusive o kernel. 

Entretanto, uma atualização de kernel não substitui os pacotes das versões anteriores. Com o passar do tempo, seu sistema passa a ter um conjunto de versões mais antigas de kernel que já não são utilizadas e apenas consomem espaço. Recentemente, dei-me conta de que estava sem espaço no "/" de meu laptop. Ao investigar o que poderia ser descartado vi que existiam mais de 12 versões antigas de kernel. Uma simples consulta com dpkg foi suficiente para identificar isso:

# dpkg -l linux-image-*

A tarefa simples seria a de remover todos esses kernels antigos, um a um. Mas que trabalho tedioso seria fazer isso, não é mesmo? Obviamente, como um administrador de sistemas Linux, uma situação dessa logo desperta a vontade de resolver tudo isso de uma única vez, através da linha de comando e de um toque Jedi. Então, para quem está procurando algo parecido ou está passando pela mesma situação, aproveito o espaço para compartilhar a solução que representa, acima de tudo, uma excelente oportunidade para praticar o uso dos poderosos pipes presentes em todos os sistemas Unix. Os exemplos apresentados foram testados em um ambiente Ubuntu, entretanto com poucas modificações, pode ser utilizado em outras distribuições também.

O comando a seguir é suficiente para você ter uma relação que contenha apenas os nomes de todos kernels que estão instalados em seu sistema com exceção do kernel atual que está em execução no momento:

# dpkg -l linux-image-[0-9]* | grep -v $( uname -r) | awk '/^in/{print $2}'

O próximo passo é utilizar o próprio comando dpkg para remover os kernels que não estão mais em uso:

# dpkg -P $( dpkg -l linux-image-[0-9]* | grep -v $( uname -r) | awk '/^in/{print $2}' )

Quer entender o que foi feito em cada comando? Bem, uma dica é executar o primeiro comando, depois executá-lo com o primeiro pipe e o próximo comando e assim por diante.

Bem, acho que é isso. Até a próxima!

PostHeaderIcon Protegendo seu terminal de comandos do esquecimento…

Passo por aqui, dessa vez, para uma dica bem rápida e que, pra mim, é bastante útil. Não é raro encontrar mundo de TI afora terminais de comandos abertos em servidores (alguns deles bem importantes). Perdi as contas das vezes em que me deparei com acessos de root dados "de graça" em servidores Linux simplesmente após pressionar qualquer coisa no teclado que tirasse o monitor do modo de economia de energia para revelar uma sessão logada. Para ambientes onde existe o ambiente gráfico, isso não é um problema tão sério já que a maioria deles trava a tela após um determinado perído de tempo sem uso. Mas, e o que fazer com relação àqueles servidores onde apenas o modo texto está disponível?

Uma dica muito simples para resolver essa questão é contar com um truque "Jedi" que existe no shell (bash e outras). Trata-se da variável especial  "TMOUT". Ela determina o número de segundos em que um terminal de comandos pode permanecer aberto, sem uso, antes que seja fechado automaticamente. Quer tentar? Pra isso, basta abrir um terminal de comandos qualquer e executar o seguinte comando:

$ export TMOUT=10

Em seguida, observe, com os próprios olhos que, passados 10 segundos de inatividade, o terminal simplesmente fecha! Interessante, não?

Entretanto, como de costume, a execução do comando anterior afeta apenas o terminal onde ele foi executado. Para fazer com que essa configuração seja feita para um usuário em todos os terminais de comandos abertos por ele, basta inserir o comando anterior, por exemplo, no arquivo ".bashrc" localizado dentro do diretório home do usuário. Ou ainda, para fazer com que todos os usuários estejam sujeitos à mesma configuração, pode-se inserir o comando em arquivos como o /etc/profile ou /etc/bash.bashrc.

Bem, acho que é isso… Até a próxima!

PostHeaderIcon Como trocar a senha de um usuário em um shell script?

Vez em quando me deparo com amigos me perguntando como é possível, a partir de um shell script, alterar a senha de um usuário. Bem, então, acho que, apesar de ser uma dica bem simples, acho que publicá-la por aqui pode ser uma boa forma ajudar outros amigos perdidos na imensidão da Internet que, eventualmente, estejam precisando de uma solução rápida para esse problema.

Bem, existem diversas maneiras de lidar com essa questão. Entretanto, comento por aqui uma alternativa que, em minha opinião, é uma das mais simples de entender, utilizar e, principalmente, lembrar quando for necessário. Para ilustrar melhor o problema: suponha que você está desenvolvendo algum shell script que cria alguns usuários e nesse processo é necessário atribuir uma senha (aleatória ou não) a eles. Supondo que o username e a senha a ser atribuídas estão armazenados nas variáveis $MYUSER e $MYPASSWORD, respectivamente, basta inserir em seu shell script algo semelhante ao seguinte comando:

MYUSERNAME="fulano"
MYPASSWORD="novasenha"
...
echo "$MYPASSWORD" | passwd --stdin "$MYUSERNAME"

Pronto! Simples, não? Bem, acho que é isso. Até mais.

PostHeaderIcon Shell script: como fazer um loop até que uma tecla seja pressionada?

Recentemente, um amigo me mandou um email com uma dúvida: ele precisava desenvolver um shell script que ficasse executando uma determinada tarefa até que uma tecla pré-estabelecida fosse pressionada. Por imaginar que essa pode ser a necessidade de muitos outros sysadmins, usuários e desenvolvedores que trabalham com o mundo GNU/Linux, resolvi compartilhar essa rápida discussão por aqui.

Bem, existem várias maneiras para resolver esse problema e resolvi indicar uma das formas que julgo ser de fácil e rápido entendimento. O ponto chave é utilizar o comando read. Vejamos o exemplo a seguir:

#!/bin/bash
while read MyKey; do
        if [ "$MyKey" == "p" ]; then
                echo "Tecla escolhida foi pressionada. Saindo do loop."
                break
        fi

        # // Inclua aqui comandos a serem executados...
        # // ...enquanto a tecla nao e pressionada
        echo "Minhas tarefas estao sendo executadas"

done
echo "Fim."

Bem, isso não parece resolver o problema, certo? Isso porque as tarefas devem ficar sendo executadas enquanto uma tecla pré-determinada (nesse caso, “p”), não for pressionada. Por outro lado, no exemplo anterior, as tarefas serão executadas apenas quando uma tecla qualquer, que não seja o próprio “p”, for pressionada. Isso ocorre porque o comando “read” ficará aguardando indefinidamente que o usuário digite alguma tecla que, por sua vez, é inserida na variável MyKey . Bem, definitivamente, não é disso que precisamos, certo?

Poucas pessoas sabem, mas o comando read não precisa ficar aguardando infinitamente alguma entrada do usuário. Com o parâmetro “-t <seg>” você pode indicar quantos segundos o comando irá ficar aguardando para que algo seja digitado. Caso o tempo indicado, em segundos, expire e nada seja digitado, o comando encerra sua execução. Sabendo disso, algumas pequenas mudanças nos farão chegar onde precisamos:

#!/bin/bash
while true ; do          
        read -n 1 -t 1 MyKey
        if [ "$MyKey" == "p" ]; then
                echo "Tecla escolhida foi pressionada. Saindo do loop."
                break
        fi

        # // Inclua aqui comandos a serem executados
        # // ...enquanto a tecla nao e pressionada
        echo "Minhas tarefas estao sendo executadas"
done
echo "Fim."

Feito, não? Entretanto, para ser um pouco mais caprichoso com o exemplo, ainda é possível alterar um “pouquinho  mais” o exemplo:

#!/bin/bash
INTERVALO=2 
while true ; do          
        read -s -n 1 -t $INTERVALO MyKey
        if [ "$MyKey" == "p" ]; then
                echo "Tecla escolhida foi pressionada. Saindo do loop."
                break
        fi

        # // Inclua aqui comandos a serem executados...
        # // ...enquanto a tecla nao e pressionada
        echo "Minhas tarefas estao sendo executadas"
done
echo "Fim."

Duas pequenas mudanças, certo? A primeira, muito básica, consiste em colocar o intervalo de tempo do read em uma variável. Dependendo do script, isso pode ajudar para mudar o comportamento sem entrar muito no código. A segunda, igualmente simples, consiste na adição do parâmetro “-s” que faz com que a tecla pressionada pelo usuário não seja impressa no terminal. Puro capricho… :-)

Acho que é isso. Até a próxima!