PostHeaderIcon Michael Jackson e a Internet.

A Internet é, atualmente, o termômetro mais importante e instantâneo da sociedade da informação. Em outras palavras, análises da rede mundial de computadores podem refletir, com uma razoável margem de certeza, os próprios interesses, as opiniões, os questionamentos e as ações de muitos segmentos sociais. Nesse contexto, quanto mais amplo for o nível de certos acontecimetnos, maior deve ser o impacto na Internet. Caso contrário, o falecimento de Michael Jackson, no último dia 25 de junho, não teria provocado tantas consequências quase que instantâneas na grande rede.

Tão logo começaram a ser publicadas as suspeitas de que o astro do pop havia falecido, o tráfego na rede mundial aumentou de maneira considerável chegando, em alguns momentos, a derrubar diversos sites de notícias e buscas ao redor do mundo , reflexo de quão grande era o interesse coletivo em torno dos acontecimentos envolvendo Michael Jackson. O mesmo aconteceu em outras oportunidades em acontecimentos como os atentados de 11 de setembro, por exemplo.

Ao mesmo tempo em que as notícias se alastravam, atacantes passaram a disseminar e distribuir milhões (bilhões, talvez) de emails na Internet contendo vírus, worms e SPAMs, aproveitando-se do interesse coletivo pelo tema. Não demorou muito para que isso provocasse muita dor de cabeça para administradores de sistemas que precisaram ajustar, de imediato, seus servidores e sistemas para tentar criar medidas eficazes de reter esse tráfego poderia provocar problemas bem mais sérios para os seus usuários.

Do ponto de vista da segurança de redes e administração de sistemas, que lição é possível tirar desse processo? Simples. A conexão indissociável que existe entre a Internet e a sociedade não permite, em nenhum momento, que um administrador de sistemas  ou qualquer outro tipo de profissional que execute tarefas semelhantes, se dê ao luxo de permanecer desconectado das notícias e dos acontecimentos atuais, fundamentalmente aqueles que são de interesse de grandes grupos sociais.  Em outras palavras, um acontecimento de alcance global pode provocar impactos quase que imediatos sobre sistemas conectados à Internet. Estar alheio aos fatos, portanto, é um passo significativo para encerrar a carreira de um profissional responsável pelas administração e segurança de sistemas e redes de computadores. Infelizmente, essa não é uma diretiva discutida e amplamente enfatizada pela literura especializada e pelos cursos, acadêmicos ou técnicos. No entanto, deveria ser já que afeta diretamente os profissionais dessa área.

Devo tratar melhor sobre esse assunto na próxima edição da coluna "Securança High-Tech", na Revista PC&CIA, da qual sou colaborador.

 

4 Responses to “Michael Jackson e a Internet.”

Leave a Reply